Arquivo da Categoria: Atividades

Seminário Dispositivos intelectuais de engajamento dos anos 1970 (out-nov/23)

Seminário
Dispositivos intelectuais de engajamento dos anos 1970

out-nov/23

Na segunda metade da década de 1960, a hegemonia declinante de antigas figuras do engajamento, gravitadas em torno do Partido Comunista Francês (PCF), cederia espaço a outras alianças entre intelectuais e múltiplas formas organizacionais moduladas pelas sedições nas ruas e instituições. Ato contínuo, o recrutamento militante passaria cada vez mais ao largo da influência dos órgãos partidários com consequências significativas, entre as quais, a proliferação inventiva de práticas de subjetivação militante. A renovação geracional das forças políticas alinhadas às aspirações socialistas assumiria outra direção, em especial a partir de 68, contexto de emergência daquilo que poderíamos chamar de dispositivos intelectuais de engajamento. Além disso, no âmbito internacional, a recepção do 68 francês terminou por revelar mais claramente as contradições locais e suas especificidades. Problematizar a atualidade do pensamento francês dos anos 1970 a partir dos dispositivos intelectuais de engajamento implica a reconstrução das figurações sociais que lhe deram fisionomia internacionalista, objetivo deste Seminário. 

[programação] Seminario CIPh out-nov 2023

Seminários de pesquisa: Formas de trabalho nos fluxos urbanos: modulações e rearranjos​ (30 ago/23)

30 de agosto, 10h 

Seminários de pesquisa

Formas de trabalho nos fluxos urbanos: modulações e rearranjos

Cibele Rizek
Professora titular do IAU/USPlocal:
Sala 36 (Ecléa Bosi), Bloco F
Instituto de Psicologia – Universidade de São Paulo
Av. Prof. Mello Moraes, 1721organização:
Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social – IP/USP
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores – USP
Sophiapol – Université Paris-Nanterre

“A escolha da guerra civil”, Live de lançamento (nov/21)

Os filósofos Paulo Arantes e Edson Teles conversam com os sociólogos Nilton Ota e Márcia Cunha, curadores da coleção Práticas Utópicas, da Elefante, sobre um dos principais lançamentos do ano, “A escolha da guerra civil: uma outra história do neoliberalismo”, novo livro de Pierre Dardot e Christian Laval, em parceria com Haud Guégen e Pierre Sauvêtre.

Conjuntura Política e Perspectivas da Democracia na Bolívia (02 dez/20)

Sessão 3
II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

A conjuntura política boliviana e suas consequências sobre o processo democrático serão analisadas à luz da crise instalada com a saída do presidente Evo Morales, em novembro de 2019, e da recente eleição do candidato do Movimento ao Socialismo (MAS) à presidência.

Palestrante:
Moira Zuazo (Universidade Livre de Berlim/Alemanha)
Moderador:
Nilton Ota (FFLCH e IEA/USP)

O Nacionalismo Hindu como Política de Estado na Índia Contemporânea (19 nov/20)

Sessão 2
II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

O nacionalismo hindu é um dos pilares do governo de Narendra Modi. Este debate propõe percorrer as origens e o desenvolvimento desta corrente ideológica por meio dos conflitos hindu-muçulmanos e através dos principais governos desde a independência da Índia, para enfim  analisar seus desdobramentos na política contemporânea.

Expositora
Mariana Faiad Batista Alves (Unicamp)
Moderadora
Márcia Cunha (FFLCH e IEA/USP)

Impermanências na Geopolítica do Cáucaso Sul (13 nov/20)

Sessão 1 
Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

Mobilizando conceitos de fronteira utilizados ao longo da história nas relações tempo-espaço, pretende-se demonstrar que o surgimento de diversos povos e identidades culturais no Cáucaso sul e seu entorno não necessariamente coincide com a constituição de um aparato estatal ou com aspirações nacionais, especialmente ao longo do século XX. São impermanências que se acumulam dentro de uma ordem capitalista, em que a instabilidade é a tônica, tanto no campo econômico como no geopolítico. Captar essas impermanências colabora na compreensão dos conflitos pela visão ocidental, repleta de estereótipos e reducionismo.

Palestrante
James Onnig (Facamp)
Moderadora
Márcia Cunha (IEA/USP)

II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas (nov-dez/20)

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo

Programação

13 de novembro (15h)
Impermanências na geopolítica do Cáucaso Sul
Prof. James Onnig (Facamp)

19 de novembro (14h)
O Nacionalismo hindu como política de Estado na Índia contemporânea
Profa. Dra. Mariana Faiad Batista Alves (Unicamp)

02 de dezembro (15h)
Conjuntura política e perspectivas da democracia na Bolívia
Profa. Dra. Moira Zuazo (Universidade Livre de Berlim/Alemanha)

08 de dezembro (15h)
Memória, vírus, revolta no Chile
Profa. Dra. Andrea Roca (Universidade Alberto Hurtado/Chile)

15 de dezembro (15h)
Qual agenda de pesquisa para a crítica das metamorfoses do neoliberalismo? [mesa-redonda]


Organização:
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP)
Instituto de Estudos Avançados (IEA/USP)
    Grupo de estudos “Neoliberalismo, subjetivação e resistências”
Sophiapol (Université Paris-Nanterre)

II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas (nov-dez/20)

Nov-Dez/2020

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo

Programação

13 de novembro (15h)
Impermanências na geopolítica do Cáucaso Sul
Prof. James Onnig (Facamp)

19 de novembro (14h)
O Nacionalismo hindu como política de Estado na Índia contemporânea
Profa. Dra. Mariana Faiad Batista Alves (Unicamp)

02 de dezembro (15h)
Conjuntura política e perspectivas da democracia na Bolívia
Profa. Dra. Moira Zuazo (Universidade Livre de Berlim/Alemanha)

08 de dezembro (15h)
Memória, vírus, revolta no Chile
Profa. Dra. Andrea Roca (Universidade Alberto Hurtado/Chile)

15 de dezembro (15h)
Qual agenda de pesquisa para a crítica das metamorfoses do neoliberalismo? [mesa-redonda]

Organização:
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP)
Instituto de Estudos Avançados (IEA/USP)
     Grupo de estudos “Neoliberalismo, subjetivação e resistências”
Sophiapol (Université Paris-Nanterre)

Lançamento da Coleção Práticas Utópicas – Roda da Rosa (30 SET/20)

Há décadas o neoliberalismo se tornou um dos objetos privilegiados para aqueles que pretendem estudar as relações de dominação no mundo contemporâneo. No entanto, as discussões começam já na própria definição do conceito: o que é, afinal, o neoliberalismo? Seria uma política econômica de um modo de governo, de um novo espírito do capitalismo, da nova razão que ordena o mundo? É nesse debate que se insere a rica contribuição de Christian Laval, autor que há anos se dedica ao estudo desse objeto. Nesta Roda da Rosa, em conjunto com a Editora Elefante, realizamos o lançamento da tradução brasileira do livro mais recente de Laval, Foucault, Bourdieu e a questão neoliberal, e da Coleção Práticas Utópicas. 

Convidados

Nilton Ota, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP e pesquisador associado do laboratório Sophiapol da Université Paris-Nanterre.

Cibele Rizek, professora titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP e pesquisadora do Cenedic.

Christian Laval, professor emérito da Université Paris-Nanterre. Autor de L’Homme économique, L’ambition sociologiqueA escola não é uma empresa, entre outros livros. Com Pierre Dardot, autor de A nova razão do mundoComumA sombra de outubro e Dominer.

Mediação

Márcia Cunha, pesquisadora associada do laboratório Sophiapol da Université Paris-Nanterre e da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP).

 

I Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas (out – dez 2019)

Atividade organizada em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris-Nanterre) e a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP), o seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas” tem como objetivo apresentar e discutir, ao modo de uma oficina de pesquisa, algumas das hipóteses trabalhadas pelo grupo de estudos “Neoliberalismo, subjetivação e resistências” do IEA/USP. Em particular, trata-se de examinar tópicos de pesquisa e debater em profundidade investigações que tematizem, sob angulações críticas diferentes, as transformações regionais, as variações institucionais e as modulações normativas da racionalidade neoliberal. Este ciclo privilegiará a exposição de trabalhos em estágio de elaboração ou em desenvolvimento. Serão abertas 3 vagas ao público externo. Interessados em participar do ciclo devem enviar uma mensagem até o dia 25 de outubro, com breve apresentação e justificativa, para nilton.ota@usp.br.

Programação
Sessões (14:00 – 17:00)

[31 out] – Brutalismo neoliberal (webconferência)
Pierre Sauvêtre – Univ. Paris-Nanterre

[07 nov] – Conflito político e legado inflacionário: o acirramento da disputa distributiva na Argentina (webconferência)
Mariana Heredia – Univ. Buenos Aires – UBA

[08 nov] – “Gilets Jaunes”
Yves Cohen – EHESS (França)

[14 nov] – Por uma crítica da razão estratégica
Nilton Ota – IEA/USP

[29 nov] – A esquerda global e a cosmopolítica do comum (webconferência)
Christian Laval – Univ. Paris-Nanterre

[05 dez] Genealogia da soberania (webconferência)
Pierre Dardot – Univ. Paris-Nanterre

Local
Instituto de Estudos Avançados – IEA/USP
Rua Praça do Relógio, 109, térreo, Cidade Universitária

 

IV Oficina Práticas Utópicas (set-nov 2019)

A Oficina Práticas Utópicas tem como objetivo constituir e consolidar, na universidade pública, um espaço de interlocução teórica e política com grupos, coletivos e movimentos sociais. Desenvolvida pela Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) desde 2017, em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris-Nanterre), a oficina vem acumulando debate e elaboração sobre as transformações, impasses e invenções políticas, vivenciados por estes atores nos últimos anos. Nesta edição, além das sessões com convidados, serão realizados encontros de leitura à luz dos materiais levantados e das discussões registradas pelas oficinas anteriores, colocando em perspectiva tanto os mecanismos e processos sociais de estruturação das diferentes formas de conduta e ação problematizadas até agora, quanto suas dinâmicas conjunturais e os efeitos sobre as respectivas estratégias. Isto é, trata-se de promover uma análise da atualidade neoliberal, examinando os instrumentos metodológicos e os recursos teóricos que permitiriam reconhecer e interpretar diferentes práticas de resistência em sua variação ideológica e heterogeneidade normativa.

Com vistas a uma articulação abrangente, as sessões serão organizadas tematicamente e de acordo com o adensamento conceitual das noções de “experimentação ambiental” e “operador jurídico”. Ao final do ciclo, espera-se que uma legibilidade teórica coletiva seja iniciada e posteriormente aproximada e integrada às discussões da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores. Os interessados em participar das reuniões de leitura devem enviar uma mensagem para seminario.neoliberalismo.usp@gmail.com, solicitando acesso aos textos e demais materiais.

Programação

12 de setembro, às 19h (auditório 118)
“Direito e crise da democracia”.
Marcelo Semer (juiz de
direito e ex-presidente da Associação Juízes pela Democracia)

20 de setembro, às 14h (sala 104A)
“As querelas evolucionistas nas origens do neoliberalismo” (reunião de leitura)

26 de setembro, às 19h (auditório 118)
“A disputa pelo direito e a disputa pelo direito à cidade”.
Rafael Negreiros (Núcleo de Habitação e Urbanismo da Defensoria Pública de São Paulo)

10 de outubro, às 19h (auditório 118)
Encarceramento como política pública“.
Mateus Moro (Núcleo de Situação Carcerária da Defensoria Pública de São Paulo)

25 de outubro, às 14h (sala 104A)
Tecnologias da experimentação política(reunião de leitura)

22 de novembro, às 14h (sala 104A)
“Utopias da produção ambiental da sociedade” (reunião de leitura)

 

Local:
Prédio de Ciências Sociais e Filosofia – FFLCH
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315, Cidade Universitária





Seminário internacional Democracia e desigualdade na América Latina (18-19 set 2018)

Com o objetivo de debater a atual situação das democracias latino-americanas, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) promoverá, nos dias 18 e 19 de setembro de 2018, o Seminário internacional Democracia e desigualdade na América Latina.

A conferência de abertura, Anatomia do novo neoliberalismo, do sociólogo Christian Laval (Universidade de Paris Nanterre), tratará da racionalidade política que conforma o intenso e acelerado processo de transformação das democracias europeias. Na segunda noite, a mesa Impasses atuais da América Latina contará com a presença de conferencistas da Argentina, Bolívia, Brasil e México, que debaterão os possíveis cruzamentos entre as conjunturas político-econômicas vividas em cada um dos países.
O Seminário também constitui um ponto de partida para a criação de uma rede internacional de pesquisadores em torno da temática. A exemplo de iniciativas em outros lugares do mundo, a aposta é de que uma interconexão de pesquisadores atentos ao que ocorre nesta fase tão movimentada da história regional e mundial poderá se traduzir em importantes ganhos analíticos. 

III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (ago – nov 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Ao assim associar estruturalmente os planos da pesquisa e da interlocução social, a oficina se alinha a outros trabalhos na universidade pública brasileira que, por outras vias e processos de institucionalização, têm demonstrado reiterada resistência aos mecanismos administrativos soldados na competição acadêmica e suas respectivas classificações de “tipo mercadológico”. Nenhuma justificativa em nome da excelência e inovação científicas legitima-se a transpor o caráter público das discussões realizadas neste espaço. Da mesma maneira, a defesa da autonomia e independência dos trabalhos não autoriza qualquer atitude de insulamento reativo ou de natureza “alternativista”. É da publicidade do debate, circunscrita aos propósitos de produção de conhecimento crítico, que esta proposta retira suas garantias. Este critério não se abstém ele próprio de táticas e estratégias, no entanto. O estatuto público do espaço não o condena à visibilidade desmedida. Conforme as circunstâncias, é possível que a discussão se restrinja temporariamente a um determinado círculo. Daí a atenção cuidadosa a ser dada à articulação entre os conteúdos propriamente políticos e a perspectiva metodológica pela qual as experiências possam tomar contornos teóricos e, desse modo, serem expostas à discussão.

Os primeiros ciclos da oficina abarcaram um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. Esta oficina dialoga diretamente com o Atelier Pratiques utopiques, desenvolvido desde 2016 na Université Paris Nanterre pelo laboratório Sophiapol, e com os grupos de trabalho que compõem a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores.

Programação

FFLCH/USP – Prédio de Filosofia e Ciências Sociais

21/08 (sala 106B), 19h
Rede Escola Pública e Universidade
Silvio Carneiro (UFABC) e Débora Cristina Goulart (Unifesp)

28/08 (auditório 118), 19h
Resistência aos modelos de gestão pública
João Paulo Faustinoni e Silva (Ministério Público/SP) e Fernando Cássio (UFABC)

25/09 (auditório 118), 19h
Comunidade escolar: lutas e desafios
Salomão Ximenes (UFABC) e Pedro Fernandes (Cursinho Livre Cláudia Silva Ferreira)

19/10 (auditório 118), 19h
Tecnopolíticas do comum
Henrique Parra (Unifesp)

30/10 (auditório 118), 19h
Desabrigados da Arte Contemporânea
Raphael Escobar (artista visual), Gustavo Mota (USP) e Leonardo Beserra (editor)

13/11 (auditório 118), 19h
Práticas Comunitárias Não Punitivas
Milena Mateuzi (USP) e Alexandre Martins (USP)

UFABC/São Bernardo do Campo

20/09 (Auditório 001, bloco Belta), 19h
Comum e Universidade
Christian Laval (Univ. Paris Nanterre)

UFBA/Salvador

10/09
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores
Márcia Cunha (Sophiapol) e Nilton Ota (Sophiapol)

Razão estratégica e Teoria social – curso de Pós-graduação (1º Sem/18)

Nilton Ken Ota
FFLCH (USP)/SOPHIAPOL (Univ, Paris Nanterre)

Da prudência maquiaveliana do Príncipe ao Marx do 18 Brumário, a estratégia, problema central na história do pensamento político moderno, não tem merecido atenção, por parte das Ciências Sociais, que reconheça sua importância nas principais correntes da tradição sociológica. Por vias teoricamente distintas, se cristalizou como tópico residual nas mais consagradas interpretações sobre a racionalidade política das últimas décadas, ora enquanto contraponto à fundamentação normativa das democracias liberais, ora como dimensão independente da estruturação das instituições do Estado ou na condição de saber prático das rupturas revolucionárias. Consequentemente, a teoria social incorporou apenas implicitamente, em sua agenda de pesquisa e no corpo conceitual de suas categorias, a gravitação histórica do que poderíamos chamar razão estratégica. Em especial, a sociologia deu contornos inteligíveis e fisionomia científica às dimensões estruturais da reprodução social que, em última instância, ponderariam o valor histórico de sua eficácia. A estratégia seria assim convertida em elemento diacrítico da tradição sociológica e, ao mesmo tempo, em problematização fundadora, retomada a todo momento, consciente ou involuntariamente, pelas correntes contemporâneas do pensamento político.