IV Oficina Práticas Utópicas (set-nov 2019)

A Oficina Práticas Utópicas tem como objetivo constituir e consolidar, na universidade pública, um espaço de interlocução teórica e política com grupos, coletivos e movimentos sociais. Desenvolvida pela Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) desde 2017, em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris-Nanterre), a oficina vem acumulando debate e elaboração sobre as transformações, impasses e invenções políticas, vivenciados por estes atores nos últimos anos. Nesta edição, além das sessões com convidados, serão realizados encontros de leitura à luz dos materiais levantados e das discussões registradas pelas oficinas anteriores, colocando em perspectiva tanto os mecanismos e processos sociais de estruturação das diferentes formas de conduta e ação problematizadas até agora, quanto suas dinâmicas conjunturais e os efeitos sobre as respectivas estratégias. Isto é, trata-se de promover uma análise da atualidade neoliberal, examinando os instrumentos metodológicos e os recursos teóricos que permitiriam reconhecer e interpretar diferentes práticas de resistência em sua variação ideológica e heterogeneidade normativa.

Com vistas a uma articulação abrangente, as sessões serão organizadas tematicamente e de acordo com o adensamento conceitual das noções de “experimentação ambiental” e “operador jurídico”. Ao final do ciclo, espera-se que uma legibilidade teórica coletiva seja iniciada e posteriormente aproximada e integrada às discussões da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores. Os interessados em participar das reuniões de leitura devem enviar uma mensagem para seminario.neoliberalismo.usp@gmail.com, solicitando acesso aos textos e demais materiais.

Programação

12 de setembro, às 19h (auditório 118)
“Direito e crise da democracia”.
Marcelo Semer (juiz de
direito e ex-presidente da Associação Juízes pela Democracia)

20 de setembro, às 14h (sala 104A)
“As querelas evolucionistas nas origens do neoliberalismo” (reunião de leitura)

26 de setembro, às 19h (auditório 118)
“A disputa pelo direito e a disputa pelo direito à cidade”.
Rafael Negreiros (Núcleo de Habitação e Urbanismo da Defensoria Pública de São Paulo)

10 de outubro, às 19h (auditório 118)
Encarceramento como política pública“.
Mateus Moro (Núcleo de Situação Carcerária da Defensoria Pública de São Paulo)

25 de outubro, às 14h (sala 104A)
Tecnologias da experimentação política(reunião de leitura)

22 de novembro, às 14h (sala 104A)
“Utopias da produção ambiental da sociedade” (reunião de leitura)

 

Local:
Prédio de Ciências Sociais e Filosofia – FFLCH
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315, Cidade Universitária





Colloque : La crise de la démocratie et le néolibéralisme à la lumière de la situation brésilienne (mars 2019)

MERCREDI 20 MARS 2019

Matinée 10h-12h 30

10h-10h 15 Présentation du colloque par les organisateurs

10h15-12h30 Thème : D’où vient le « bolsonarisme » ?

  • Maud Chirio (Historienne, Université Paris-Est Marne-la-Vallée), 10h 15-11h : la victoire de Bolsonaro à la lumière de l’histoire brésilienne

Table ronde 11h15 -12h : les raisons d’un basculement politique

  • Daniel Hirata (Université Fédérale Fluminense) : illégalismes, rationalité néolibérale et violence d’État a Rio de Janeiro .
  • Diogo Sardinha (Université Paris 8/Université de Lisbonne) : inégalités et identités aux sources du bolsonarisme
  • André Alves Portella (Professeur à la faculté de droit de l’Université fédérale de Bahia, Chercheur du CNPq) : Droit et Financement public au service du néolibéralisme et contre les intérêts du peuple : le cas brésilien
  • Soleni Fressato (Sociologue, Université fédérale de Bahia, Oficina Cinema-Historia) : Le comportement de la classe moyenne et le recul de la démocratie au Brésil

Discussion générale 12h-12h30

Déjeuner 12h 30-14h

III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (AGO – NOV 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

II Oficina Práticas Utópicas: ABERTURA 03/10/17 (16h), com Pierre DARDOT e Christian LAVAL

O primeiro ciclo da Oficina Práticas Utópicas abarcou um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. O segundo ciclo dará continuidade aos debates do primeiro semestre de 2017. A sessão inaugural apresentará a perspectiva histórica e a atualidade do princípio estratégico do Comum, de acordo com a formulação dada pelos conferencistas convidados, Christian Laval e Pierre Dardot. A Oficina também prevê realização de atividades presencias de discussão nos movimentos sociais.

Programação

  • Emergência e estratégias do Comum (Abertura com Dardot e Laval)
  • Núcleo de Consciência Negra da Universidade de São Paulo
  • Movimento de Moradia da Vila Soma
    Atividade na Vila Soma (Sumaré/SP)
  • Arquivo militante do Movimento de Saúde da Zona Leste de São Paulo

 

 

Oficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril 2017 – 18:30)

DOCUMENTAÇÃO E COMUNICAÇÃO POPULAR:
A experiência do CPV e dos movimentos sociais atuais

 

ALDO ESCOBAR – Jornalista formado pela ECA/USP e Vice- Presidente do CPV- Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro.

ANA APARECIDA FRABETTI  VALIM ALBERTI – Jornalista e Mestra em Comunicação Social pela UMESP.

PAULA RIBEIRO SALLES – Historiadora licenciada pela UFOP  e Mestra em História Social pela PUC/SP.

Continuar a lerOficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril 2017 – 18:30)

I Oficina Práticas Utópicas (1° sem 2017)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Oficina: Observar os tempos do “social”

Coordenação: Márcia Cunha, Isabel Georges e Nilton Ota

Quando o “social”, campo de intervenções para o atendimento e controle de grupos e indivíduos desprovidos de meios para garantia de sua própria subsistência, está no centro de uma investigação sociológica, o tema da mudança é uma constante: novas políticas, discursos, práticas, instituições, categorias, técnicas. A apreensão e discussão do que é novo, bem como de seus efeitos, entretanto, não é algo dado ou trivial. Sua identificação e morfologia requerem a construção de perspectivas de investigação e análise que definam o elo entre o objeto e seu entorno com relação à passagem do tempo. As formas de relacionar o passado e o presente ou as diversas temporalidades inscritas em cenários e objetos específicos constituem o cerne das questões que esta oficina pretende trabalhar. A observação dos tempos do “social” pode constituir também um significativo aporte metodológico para a decifração dos momentos de crise político-institucional.

Continuar a lerOficina: Observar os tempos do “social”

Oficina: Arte, cultura, identidade e gestão

Coordenação: José César de Magalhães Jr e Tatiana Maranhão

O objetivo desta oficina é investigar a hipótese geral de que, sob variadas formas e por caminhos pouco habituais, manifestações artísticas como criações teatrais, exposições de artes plásticas, mostras, instalações, espetáculos, oficinas e workshops, bem como programas artístico-culturais de formação crítica de público ou acentuada vocação social nas periferias urbanas estão realizando, por mecanismos de incitação à mobilização, à participação ou ao engajamento, com diferentes alcances e desde momentos particulares no desenvolvimento de suas próprias linguagens, uma “culturalização” generalizada da vida e dos conflitos sociais.

Continuar a lerOficina: Arte, cultura, identidade e gestão