Qual Agenda de Pesquisa para a Crítica das Metamorfoses do Neoliberalismo? (15 dez/20)

Sessão 5
II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

Diante das transformações recentes da racionalidade neoliberal, seria necessário alterar o referencial teórico de análise? Os estudos internacionais sobre o tema têm assumido qual orientação? Haveria ruptura em relação à produção já acumulada nas últimas três décadas de conformação de um campo crítico de investigação? De que forma e com qual intensidade esse processo tem reestruturado os estudos no Brasil?  A última sessão do Seminário promoverá o debate em torno de uma nova agenda de pesquisa, destacando os impasses teóricos e as possíveis perspectivas de investigação abertas pelo contexto de aguda metamorfose do neoliberalismo.

Participantes:
Integrantes do Grupo de Estudos Neoliberalismo, Subjetivação e Resistências do IEA, da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH) e do laboratório Sophiapol (Univ. Paris-Nanterre).

Moderador:
Márcia Cunha (FFLCH e IEA/USP)

Memória, Vírus, Revolta no Chile (8 dez/20)

Sessão 4
II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

O Chile vem passando por mobilizações permanentes de contestação social, com repercussões profundas em suas instituições políticas. Serão examinados e colocados para o debate os sentidos e desdobramentos desse processo, entre os quais a violenta reação do Estado, que não deixou de utilizar dispositivos de repressão dos tempos da ditadura militar, e o recente resultado do plebiscito em favor de uma nova Constituição.

Palestrante
Andrea Roca (Universidade Alberto Hurtado/Chile)
Moderador
Nilton Ota (FFLCH e IEA/USP)

Conjuntura Política e Perspectivas da Democracia na Bolívia (02 dez/20)

Sessão 3
II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

A conjuntura política boliviana e suas consequências sobre o processo democrático serão analisadas à luz da crise instalada com a saída do presidente Evo Morales, em novembro de 2019, e da recente eleição do candidato do Movimento ao Socialismo (MAS) à presidência.

Palestrante:
Moira Zuazo (Universidade Livre de Berlim/Alemanha)
Moderador:
Nilton Ota (FFLCH e IEA/USP)

O Nacionalismo Hindu como Política de Estado na Índia Contemporânea (19 nov/20)

Sessão 2
II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

O nacionalismo hindu é um dos pilares do governo de Narendra Modi. Este debate propõe percorrer as origens e o desenvolvimento desta corrente ideológica por meio dos conflitos hindu-muçulmanos e através dos principais governos desde a independência da Índia, para enfim  analisar seus desdobramentos na política contemporânea.

Expositora
Mariana Faiad Batista Alves (Unicamp)
Moderadora
Márcia Cunha (FFLCH e IEA/USP)

Impermanências na Geopolítica do Cáucaso Sul (13 nov/20)

Sessão 1 
Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas

Mobilizando conceitos de fronteira utilizados ao longo da história nas relações tempo-espaço, pretende-se demonstrar que o surgimento de diversos povos e identidades culturais no Cáucaso sul e seu entorno não necessariamente coincide com a constituição de um aparato estatal ou com aspirações nacionais, especialmente ao longo do século XX. São impermanências que se acumulam dentro de uma ordem capitalista, em que a instabilidade é a tônica, tanto no campo econômico como no geopolítico. Captar essas impermanências colabora na compreensão dos conflitos pela visão ocidental, repleta de estereótipos e reducionismo.

Palestrante
James Onnig (Facamp)
Moderadora
Márcia Cunha (IEA/USP)

II Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas (nov-dez/20)

Evento com transmissão em: http://www.iea.usp.br/aovivo

Programação

13 de novembro (15h)
Impermanências na geopolítica do Cáucaso Sul
Prof. James Onnig (Facamp)

19 de novembro (14h)
O Nacionalismo hindu como política de Estado na Índia contemporânea
Profa. Dra. Mariana Faiad Batista Alves (Unicamp)

02 de dezembro (15h)
Conjuntura política e perspectivas da democracia na Bolívia
Profa. Dra. Moira Zuazo (Universidade Livre de Berlim/Alemanha)

08 de dezembro (15h)
Memória, vírus, revolta no Chile
Profa. Dra. Andrea Roca (Universidade Alberto Hurtado/Chile)

15 de dezembro (15h)
Qual agenda de pesquisa para a crítica das metamorfoses do neoliberalismo? [mesa-redonda]


Organização:
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP)
Instituto de Estudos Avançados (IEA/USP)
    Grupo de estudos “Neoliberalismo, subjetivação e resistências”
Sophiapol (Université Paris-Nanterre)

Lançamento da Coleção Práticas Utópicas – Roda da Rosa (30 SET/20)

Há décadas o neoliberalismo se tornou um dos objetos privilegiados para aqueles que pretendem estudar as relações de dominação no mundo contemporâneo. No entanto, as discussões começam já na própria definição do conceito: o que é, afinal, o neoliberalismo? Seria uma política econômica de um modo de governo, de um novo espírito do capitalismo, da nova razão que ordena o mundo? É nesse debate que se insere a rica contribuição de Christian Laval, autor que há anos se dedica ao estudo desse objeto. Nesta Roda da Rosa, em conjunto com a Editora Elefante, realizamos o lançamento da tradução brasileira do livro mais recente de Laval, Foucault, Bourdieu e a questão neoliberal, e da Coleção Práticas Utópicas. 

Convidados

Nilton Ota, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP e pesquisador associado do laboratório Sophiapol da Université Paris-Nanterre.

Cibele Rizek, professora titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP e pesquisadora do Cenedic.

Christian Laval, professor emérito da Université Paris-Nanterre. Autor de L’Homme économique, L’ambition sociologiqueA escola não é uma empresa, entre outros livros. Com Pierre Dardot, autor de A nova razão do mundoComumA sombra de outubro e Dominer.

Mediação

Márcia Cunha, pesquisadora associada do laboratório Sophiapol da Université Paris-Nanterre e da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP).

 

I Seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas (out – dez 2019)

Atividade organizada em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris-Nanterre) e a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP), o seminário Metamorfoses do neoliberalismo e emergências críticas” tem como objetivo apresentar e discutir, ao modo de uma oficina de pesquisa, algumas das hipóteses trabalhadas pelo grupo de estudos “Neoliberalismo, subjetivação e resistências” do IEA/USP. Em particular, trata-se de examinar tópicos de pesquisa e debater em profundidade investigações que tematizem, sob angulações críticas diferentes, as transformações regionais, as variações institucionais e as modulações normativas da racionalidade neoliberal. Este ciclo privilegiará a exposição de trabalhos em estágio de elaboração ou em desenvolvimento. Serão abertas 3 vagas ao público externo. Interessados em participar do ciclo devem enviar uma mensagem até o dia 25 de outubro, com breve apresentação e justificativa, para nilton.ota@usp.br.

Programação
Sessões (14:00 – 17:00)

[31 out] – Brutalismo neoliberal (webconferência)
Pierre Sauvêtre – Univ. Paris-Nanterre

[07 nov] – Conflito político e legado inflacionário: o acirramento da disputa distributiva na Argentina (webconferência)
Mariana Heredia – Univ. Buenos Aires – UBA

[08 nov] – “Gilets Jaunes”
Yves Cohen – EHESS (França)

[14 nov] – Por uma crítica da razão estratégica
Nilton Ota – IEA/USP

[29 nov] – A esquerda global e a cosmopolítica do comum (webconferência)
Christian Laval – Univ. Paris-Nanterre

[05 dez] Genealogia da soberania (webconferência)
Pierre Dardot – Univ. Paris-Nanterre

Local
Instituto de Estudos Avançados – IEA/USP
Rua Praça do Relógio, 109, térreo, Cidade Universitária

 

IV OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (SET-NOV 2019)

A Oficina Práticas Utópicas tem como objetivo constituir e consolidar, na universidade pública, um espaço de interlocução teórica e política com grupos, coletivos e movimentos sociais. Desenvolvida pela Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) desde 2017, em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris-Nanterre), a oficina vem acumulando debate e elaboração sobre as transformações, impasses e invenções políticas, vivenciados por estes atores nos últimos anos. Nesta edição, além das sessões com convidados, serão realizados encontros de leitura à luz dos materiais levantados e das discussões registradas pelas oficinas anteriores, colocando em perspectiva tanto os mecanismos e processos sociais de estruturação das diferentes formas de conduta e ação problematizadas até agora, quanto suas dinâmicas conjunturais e os efeitos sobre as respectivas estratégias. Isto é, trata-se de promover uma análise da atualidade neoliberal, examinando os instrumentos metodológicos e os recursos teóricos que permitiriam reconhecer e interpretar diferentes práticas de resistência em sua variação ideológica e heterogeneidade normativa.

Colloque : La crise de la démocratie et le néolibéralisme à la lumière de la situation brésilienne (mars 2019)

MERCREDI 20 MARS 2019

Matinée 10h-12h 30

10h-10h 15 Présentation du colloque par les organisateurs

10h15-12h30 Thème : D’où vient le « bolsonarisme » ?

  • Maud Chirio (Historienne, Université Paris-Est Marne-la-Vallée), 10h 15-11h : la victoire de Bolsonaro à la lumière de l’histoire brésilienne

Table ronde 11h15 -12h : les raisons d’un basculement politique

  • Daniel Hirata (Université Fédérale Fluminense) : illégalismes, rationalité néolibérale et violence d’État a Rio de Janeiro .
  • Diogo Sardinha (Université Paris 8/Université de Lisbonne) : inégalités et identités aux sources du bolsonarisme
  • André Alves Portella (Professeur à la faculté de droit de l’Université fédérale de Bahia, Chercheur du CNPq) : Droit et Financement public au service du néolibéralisme et contre les intérêts du peuple : le cas brésilien
  • Soleni Fressato (Sociologue, Université fédérale de Bahia, Oficina Cinema-Historia) : Le comportement de la classe moyenne et le recul de la démocratie au Brésil

Discussion générale 12h-12h30

Déjeuner 12h 30-14h

Seminário internacional Democracia e desigualdade na América Latina (18-19 set 2018)

Com o objetivo de debater a atual situação das democracias latino-americanas, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) promoverá, nos dias 18 e 19 de setembro de 2018, o Seminário internacional Democracia e desigualdade na América Latina.

A conferência de abertura, Anatomia do novo neoliberalismo, do sociólogo Christian Laval (Universidade de Paris Nanterre), tratará da racionalidade política que conforma o intenso e acelerado processo de transformação das democracias europeias. Na segunda noite, a mesa Impasses atuais da América Latina contará com a presença de conferencistas da Argentina, Bolívia, Brasil e México, que debaterão os possíveis cruzamentos entre as conjunturas político-econômicas vividas em cada um dos países.
O Seminário também constitui um ponto de partida para a criação de uma rede internacional de pesquisadores em torno da temática. A exemplo de iniciativas em outros lugares do mundo, a aposta é de que uma interconexão de pesquisadores atentos ao que ocorre nesta fase tão movimentada da história regional e mundial poderá se traduzir em importantes ganhos analíticos. 

III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (AGO – NOV 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Razão estratégica e Teoria social – curso de Pós-graduação (1º Sem/18)

Nilton Ken Ota
FFLCH (USP)/SOPHIAPOL (Univ, Paris Nanterre)

Da prudência maquiaveliana do Príncipe ao Marx do 18 Brumário, a estratégia, problema central na história do pensamento político moderno, não tem merecido atenção, por parte das Ciências Sociais, que reconheça sua importância nas principais correntes da tradição sociológica. Por vias teoricamente distintas, se cristalizou como tópico residual nas mais consagradas interpretações sobre a racionalidade política das últimas décadas, ora enquanto contraponto à fundamentação normativa das democracias liberais, ora como dimensão independente da estruturação das instituições do Estado ou na condição de saber prático das rupturas revolucionárias. Consequentemente, a teoria social incorporou apenas implicitamente, em sua agenda de pesquisa e no corpo conceitual de suas categorias, a gravitação histórica do que poderíamos chamar razão estratégica. Em especial, a sociologia deu contornos inteligíveis e fisionomia científica às dimensões estruturais da reprodução social que, em última instância, ponderariam o valor histórico de sua eficácia. A estratégia seria assim convertida em elemento diacrítico da tradição sociológica e, ao mesmo tempo, em problematização fundadora, retomada a todo momento, consciente ou involuntariamente, pelas correntes contemporâneas do pensamento político.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search