Todos os artigos de Nilton Ken Ota

Oficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril – 18:30)

DOCUMENTAÇÃO E COMUNICAÇÃO POPULAR:
A experiência do CPV e dos movimentos sociais atuais

 

ALDO ESCOBAR – Jornalista formado pela ECA/USP e Vice- Presidente do CPV- Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro.

ANA APARECIDA FRABETTI  VALIM ALBERTI – Jornalista e Mestra em Comunicação Social pela UMESP.

PAULA RIBEIRO SALLES – Historiadora licenciada pela UFOP  e Mestra em História Social pela PUC/SP.

Continuar a lerOficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril – 18:30)

Curso GENEALOGIA DOS DISPOSITIVOS INTELECTUAIS DE ENGAJAMENTO (maio-junho/17)

Nilton Ken Ota (USP/Univ. Paris Nanterre)

O ciclo contestatório mundial iniciado no final da década de 1960 fez da França o epicentro de uma nova gramática política, a um só tempo, massificada culturalmente e inscrita na conduta individual, em detrimento dos modos tradicionais de representação de classe e seus circuitos de recrutamento e formação militante. Sob o declínio do Partido Comunista Francês, as antigas figuras hegemônicas do engajamento entraram em deriva, ocasião propícia para alianças e pontos de tangência entre intelectuais e forças políticas forjadas pelas sedições nas ruas e instituições. A partir de maio de 68 este encontro não deixará de gerar consequências, entre as quais, a invenção de instrumentos específicos de incitação da subjetividade militante, processo amplo e heterogêneo no interior do qual emergiram os dispositivos intelectuais de engajamento.

Efeito direto da crescente intersecção entre o saber estratégico dos grupos da esquerda extraparlamentar e a produção da primeira geração de filósofos e cientistas sociais do pós-Segunda Guerra, esses dispositivos terminaram por materializar a passagem do primado filosófico da significação teórica, movida pelo dinamismo endógeno de suas categorias, para a centralidade crescente de um regime de validação discursiva dos conceitos, modulado por uma temporalidade liminar entre o arquivo e a ação direta. O estilo que caracterizou esta reversão do momento filosófico do pensamento francês, conferindo-lhe elementos de identidade, não pode ser compreendido à parte de suas determinações propriamente sociológicas. Certamente, trata-se de incluir a questão sobre o “espaço dos possíveis” da teoria, a unidade percebida e normatizada entre as obras e suas recepções no quadro referencial da análise. Contudo, há que se examinar também os traços distintivos da constelação contestatória soixante-huitarde sob o crivo interdisciplinar das configurações prático-discursivas que deram fisionomia crítica a essa geração de intelectuais.

Etapa inicial de um programa de pesquisa sobre as modalidades contemporâneas de subjetivação política e racionalização estratégica, realizado em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris Nanterre), este curso desenvolverá uma abordagem genealógica do pensamento francês dos anos de 1970 por meio da reconstrução do “campo de forças” das organizações militantes da esquerda extraparlamentar e da conjuntura política institucional. Objetiva-se compreender o funcionamento dos dispositivos intelectuais de engajamento como espaço experimental de produção teórica e política, em especial seu impacto sobre os trabalhos de Michel Foucault, Félix Guattari (incluindo aqueles em parceria com Gilles Deleuze) e Jacques Lacan, eles próprios fundadores e animadores de alguns dentre os mais célebres: o Groupe d’Information sur les Prisons, o Centre d’études, de recherches et de formation institutionnelles e a École Freudienne de Paris, respectivamente. Por fim, o curso pretende introduzir os participantes na discussão sobre os diferentes tratamentos metodológicos dos acervos documentais dos grupos militantes e dos arquivos pessoais dos intelectuais da época, cada vez mais acessíveis aos pesquisadores.

Programa

PARTE I – A CONSTELAÇÃO CONTESTATÓRIA

(2 de maio)
A quarta parede do marxismo francês

(9 de maio)
A emulação depurativa do maoísmo: Gauche Prolétarienne 

(16 de maio)
O trabalho e sua autogestão: Lip 

(23 de maio)
A mobilização do ‘social’ e os ‘intelectuais específicos’

PARTE II – DISPOSITIVOS INTELECTUAIS DE ENGAJAMENTO E A FORMAÇÃO DE UMA NOVA RACIONALIDADE ESTRATÉGICA

(30 de maio)
A politização da subjetividade: Centre d’Études, de Recherches et de Formation Institutionnelles (CERFI)

(6 de junho)
A psicanálise como paráfrase: École Freudienne de Paris (EFP)

(13 de junho)
A regionalização de uma totalidade ‘metafísica’ do poder: Groupe d’Information sur les Prisons (GIP)

Horário: 14:00 – 18:00
Local: Sala 110 (Prédio de Letras)

Av. Prof. Luciano Gualberto, 315
Cidade Universitária

Contato:
3091-3724 (Dep. Sociologia)
sociousp@usp.br

Inscrições
As inscrições estarão abertas entre 17 e 26 de abril. Alunos da USP poderão realizar a matrícula enviando a solicitação para o email sociousp@usp.br. Alunos da Unicamp e Unesp devem protocolar pessoalmente a inscrição junto à Secretaria do Departamento de Sociologia. Alunos especiais serão aceitos conforme as orientações específicas dadas pela Secretaria.
O curso também será aberto ao público como seminário do LAPS (DS/FFLCH/USP) e da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol (Université Paris Nanterre). Serão emitidos certificados de participação e, no caso dos alunos de pós-graduação, atribuídos os respectivos créditos-aula.

[Programa]_Curso_Genealogia dos dispositivos intelectuais de engajamento (1°sem 2017)

Programação_Curso PPGS_Genealogia dos dispositivos intelectuais de engajamento_1° sem 2017

 

 

 

 

 

 

 

Oficina Observar os Tempos do social e da política (1° sem 2017)

No segundo semestre de 2016, a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP), o Laboratório Misto Internacional (LMI SAGEMM/IRD) e o Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic/USP) promoveram o seminário “Tempos do Social e da Política”, discutindo pesquisas dedicadas à análise das configurações das políticas sociais, de modo a identificar e colocar em debate o enraizamento temporal de seus principais impasses, avanços e interdições.

Para o primeiro semestre de 2017, a proposta de continuidade das discussões lança luz sobre a questão das temporalidades constitutivas das conformações políticas a partir do ponto de vista do pesquisador em campo: como apreender, no trabalho de investigação, interpretação e análise, as diversas referências históricas que se cruzam e justapõem nas experiências dos sujeitos, em suas falas e disputas políticas? Quais são os aspectos a atentar no trabalho sobre a construção das narrativas, a preservação e uso dos registros, a mobilização das memórias? Esses são os pontos de partida das quatro sessões a serem realizadas e para as quais fazemos este convite.

17 de abril (18h30)
DOCUMENTAÇÃO E COMUNICAÇÃO POPULAR: A EXPERIÊNCIA DO CPV E DOS MOVIMENTOS SOCIAIS ATUAIS
Aldo Escobar, Paula Ribeiro Salles e Ana Valim Alberti (CPV)
Sala 8

19 de maio (15h)
O EFÊMERO: TEMPORALIDADES, SUBJETIVIDADES E NARRATIVAS ETNOGRÁFICAS EM LUANDA
Madalina Florescu (Cebrap)
Sala 106 A

2 de junho (15h)
A CONSTRUÇÃO POLÍTICA DOS QUILOMBOS DO VALE DO RIBEIRA
Fábio Sanchez (UFSCar)
Sala 104 B

11 de agosto (15h)
ENVELHECIMENTO: O IRREVERSÍVEL E O IRREVOGÁVEL
Irene Cardoso (USP)
Sala 106 A

 

Oficina Práticas Utópicas (1° sem 2017)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Ao assim associar estruturalmente os planos da pesquisa e da interlocução social, a oficina se alinha a outros trabalhos na universidade pública brasileira que, por outras vias e processos de institucionalização, têm demonstrado reiterada resistência aos mecanismos administrativos soldados na competição acadêmica e suas respectivas classificações de “tipo mercadológico”. Nenhuma justificação em nome da excelência e inovação científicas legitima-se a transpor o caráter público das discussões realizadas neste espaço. Da mesma maneira, a defesa da autonomia e independência dos trabalhos não autoriza qualquer atitude de insulamento reativo ou de natureza “alternativista”. É da publicidade do debate, circunscrita aos propósitos de produção de conhecimento crítico, que esta proposta retira suas garantias. Este critério não se abstém ele próprio de táticas e estratégias, no entanto. O estatuto público do espaço não o condena à visibilidade desmedida. Conforme as circunstâncias, é possível que a discussão se restrinja temporariamente a um determinado círculo. Daí a atenção cuidadosa a ser dada à articulação entre os conteúdos propriamente políticos e a perspectiva metodológica pela qual as experiências possam tomar contornos teóricos e, desse modo, serem expostas à discussão.

O primeiro ciclo da oficina abarcará um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. Esta oficina dialogará diretamente com o Atelier Pratiques utopiques, desenvolvido desde 2016 na Université Paris Nanterre pelo laboratório Sophiapol, e com os grupos de trabalho que compõem a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores.

21 de março [19:00]
DIREITO AO PRAZER: consumo, política e pobreza no Brasil do século XXI
Rosana Pinheiro Machado

27 de abril [19:00]
MOVIMENTOS SOCIAIS E A CLÍNICA PSICANALÍTICA:
uma experiência de dez anos no MST
Noemi Araújo

4 de maio [19:00]
FLASKÔ, VILA OPERÁRIA E VILA SOMA:  experiências de autoconstrução e autogestão como formas de organização popular
Alexandre Mandl

6 de junho [19:30]
REBELIÃO DO PÚBLICO-ALVO? Lutas por dentro e por fora da cultura como política pública
Danyele Maciel e Taiguara de Oliveira

Local:
Sala 106 A

Prédio de Filosofia e Ciências Sociais
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315

 

IV Seminário Neoliberalismo e racionalidade política (outubro e novembro de 2016)

IV Seminário Neoliberalismo e racionalidade política

04/10
Autonomismo e as novas formas de organização coletiva
Jean Tible – FFLCH/USP

18/10
Polarização política no Brasil e Turquia
Álvaro Comin – FFLCH/USP

01/11
Neoliberalismo, austeridade e sequestro da democracia
André Singer – FFLCH/USP

08/11
Blindagem da Constituição financeira e agonia da Constituição econômica
G. Bercovici e F. Massonetto – FD/USP

Horário: 19:30
Local: Sala 104 A

Universidade de São Paulo -USP
Prédio de Ciências Sociais e Filosofia – FFLCH
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315

cartaz-final_02-out-2016

Oficina: Observar os tempos do “social”

Coordenação: Márcia Cunha, Isabel Georges e Nilton Ota

Quando o “social”, campo de intervenções para o atendimento e controle de grupos e indivíduos desprovidos de meios para garantia de sua própria subsistência, está no centro de uma investigação sociológica, o tema da mudança é uma constante: novas políticas, discursos, práticas, instituições, categorias, técnicas. A apreensão e discussão do que é novo, bem como de seus efeitos, entretanto, não é algo dado ou trivial. Sua identificação e morfologia requerem a construção de perspectivas de investigação e análise que definam o elo entre o objeto e seu entorno com relação à passagem do tempo. As formas de relacionar o passado e o presente ou as diversas temporalidades inscritas em cenários e objetos específicos constituem o cerne das questões que esta oficina pretende trabalhar. A observação dos tempos do “social” pode constituir também um significativo aporte metodológico para a decifração dos momentos de crise político-institucional.

Continuar a lerOficina: Observar os tempos do “social”

Oficina: Arte, cultura, identidade e gestão

Coordenação: José César de Magalhães Jr e Tatiana Maranhão

O objetivo desta oficina é investigar a hipótese geral de que, sob variadas formas e por caminhos pouco habituais, manifestações artísticas como criações teatrais, exposições de artes plásticas, mostras, instalações, espetáculos, oficinas e workshops, bem como programas artístico-culturais de formação crítica de público ou acentuada vocação social nas periferias urbanas estão realizando, por mecanismos de incitação à mobilização, à participação ou ao engajamento, com diferentes alcances e desde momentos particulares no desenvolvimento de suas próprias linguagens, uma “culturalização” generalizada da vida e dos conflitos sociais.

Continuar a lerOficina: Arte, cultura, identidade e gestão

Oficina: A produção neoliberal do espaço (água e minério)

Coordenação: André Dal’Bó 

O objetivo desta oficina é coletar informações que contribuam para a compreensão dos novos arranjos normativos, entre atores público e privados, nos processos de mineração e de exploração da água em curso atualmente no Brasil.

Para tanto, daremos início às atividades com o levantamento exploratório de dois campos: I) a atuação da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), desde o processo de abertura de capital no ano de 2002, passando pela remodelação das formas de contrato com os poderes públicos executivos municipais (2008), até os atuais arranjos de gestão onde o capital financeiro passou a representar pelo menos um terço do balanço orçamentário anual da Companhia; II) as recentes transformações normativas e institucionais, sobretudo relacionadas ao Projeto de Lei do Novo código de mineração brasileiro (PL 37/11), que hipoteticamente permitirão um novo ciclo de expansão da mineração no Brasil, ampliando a destruição ambiental.

Continuar a lerOficina: A produção neoliberal do espaço (água e minério)

Oficina: Neoliberalismo brasileiro e construção da “classe C” ou “nova classe média”

Coordenação: Daniel Andrade

Esta oficina de pesquisa sobre o neoliberalismo propõe analisar a intersecção entre Estado, mercado e subjetividade no Brasil, tendo como foco a chamada “classe C” ou “nova classe média”. O objetivo é pensar qual tipo de sujeito político foi construído pelo discurso sobre a “classe C” e pelos dispositivos de políticas públicas e de estratégias empresariais que surgiram a partir dele. Pretende-se inverter a abordagem predominante no debate intelectual atual, o qual, partindo de definições previamente estabelecidas, questiona se se trata efetivamente de uma classe ou de uma classe média. Ao invés de averiguar a verdade deste discurso em sua adequação com a realidade ou com as teorias sociológicas, busca-se pensar os efeitos que esse discurso produziu ao ser aceito como verdadeiro.

Continuar a lerOficina: Neoliberalismo brasileiro e construção da “classe C” ou “nova classe média”

Reunião Aberta (17 de setembro de 2016)

Gostaríamos de convidar a tod@s para a reunião aberta, a ser realizada no dia 17 de setembro, sábado, quando pretendemos discutir tanto as atividades programadas, quanto ideias comuns, colaborações possíveis, acréscimo de temas e ações que ainda não foram vislumbradas.
O convite se estende a tod@s que se interessem pelos temas e proposta.

Data: 17 de setembro de 2016
Horário: 9h – 12h

Local: Faculdade de Direito da USP – Largo São Francisco, 95
Sala Conselheiro Crispiniano, térreo

Continuar a lerReunião Aberta (17 de setembro de 2016)