Todos os artigos de Nilton Ken Ota

Seminário internacional Democracia e desigualdade na América Latina (18-19 set 2018)

Com o objetivo de debater a atual situação das democracias latino-americanas, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP) promoverá, nos dias 18 e 19 de setembro de 2018, o Seminário internacional Democracia e desigualdade na América Latina.

A conferência de abertura, Anatomia do novo neoliberalismo, do sociólogo Christian Laval (Universidade de Paris Nanterre), tratará da racionalidade política que conforma o intenso e acelerado processo de transformação das democracias europeias. Na segunda noite, a mesa Impasses atuais da América Latina contará com a presença de conferencistas da Argentina, Bolívia, Brasil e México, que debaterão os possíveis cruzamentos entre as conjunturas político-econômicas vividas em cada um dos países.
O Seminário também constitui um ponto de partida para a criação de uma rede internacional de pesquisadores em torno da temática. A exemplo de iniciativas em outros lugares do mundo, a aposta é de que uma interconexão de pesquisadores atentos ao que ocorre nesta fase tão movimentada da história regional e mundial poderá se traduzir em importantes ganhos analíticos. 

III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (AGO – NOV 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (ago – nov 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Ao assim associar estruturalmente os planos da pesquisa e da interlocução social, a oficina se alinha a outros trabalhos na universidade pública brasileira que, por outras vias e processos de institucionalização, têm demonstrado reiterada resistência aos mecanismos administrativos soldados na competição acadêmica e suas respectivas classificações de “tipo mercadológico”. Nenhuma justificativa em nome da excelência e inovação científicas legitima-se a transpor o caráter público das discussões realizadas neste espaço. Da mesma maneira, a defesa da autonomia e independência dos trabalhos não autoriza qualquer atitude de insulamento reativo ou de natureza “alternativista”. É da publicidade do debate, circunscrita aos propósitos de produção de conhecimento crítico, que esta proposta retira suas garantias. Este critério não se abstém ele próprio de táticas e estratégias, no entanto. O estatuto público do espaço não o condena à visibilidade desmedida. Conforme as circunstâncias, é possível que a discussão se restrinja temporariamente a um determinado círculo. Daí a atenção cuidadosa a ser dada à articulação entre os conteúdos propriamente políticos e a perspectiva metodológica pela qual as experiências possam tomar contornos teóricos e, desse modo, serem expostas à discussão.

Os primeiros ciclos da oficina abarcaram um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. Esta oficina dialoga diretamente com o Atelier Pratiques utopiques, desenvolvido desde 2016 na Université Paris Nanterre pelo laboratório Sophiapol, e com os grupos de trabalho que compõem a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores.

Programação

FFLCH/USP – Prédio de Filosofia e Ciências Sociais

21/08 (sala 106B), 19h
Rede Escola Pública e Universidade
Silvio Carneiro (UFABC) e Débora Cristina Goulart (Unifesp)

28/08 (auditório 118), 19h
Resistência aos modelos de gestão pública
João Paulo Faustinoni e Silva (Ministério Público/SP) e Fernando Cássio (UFABC)

25/09 (auditório 118), 19h
Comunidade escolar: lutas e desafios
Salomão Ximenes (UFABC) e Pedro Fernandes (Cursinho Livre Cláudia Silva Ferreira)

19/10 (auditório 118), 19h
Tecnopolíticas do comum
Henrique Parra (Unifesp)

30/10 (auditório 118), 19h
Desabrigados da Arte Contemporânea
Raphael Escobar (artista visual), Gustavo Mota (USP) e Leonardo Beserra (editor)

13/11 (auditório 118), 19h
Práticas Comunitárias Não Punitivas
Milena Mateuzi (USP) e Alexandre Martins (USP)

UFABC/São Bernardo do Campo

20/09 (Auditório 001, bloco Belta), 19h
Comum e Universidade
Christian Laval (Univ. Paris Nanterre)

UFBA/Salvador

10/09
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores
Márcia Cunha (Sophiapol) e Nilton Ota (Sophiapol)

II Oficina Práticas Utópicas: ABERTURA 03/10/17 (16h), com Pierre DARDOT e Christian LAVAL

O primeiro ciclo da Oficina Práticas Utópicas abarcou um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. O segundo ciclo dará continuidade aos debates do primeiro semestre de 2017. A sessão inaugural apresentará a perspectiva histórica e a atualidade do princípio estratégico do Comum, de acordo com a formulação dada pelos conferencistas convidados, Christian Laval e Pierre Dardot. A Oficina também prevê realização de atividades presencias de discussão nos movimentos sociais.

Programação

  • Emergência e estratégias do Comum (Abertura com Dardot e Laval)
  • Núcleo de Consciência Negra da Universidade de São Paulo
  • Movimento de Moradia da Vila Soma
    Atividade na Vila Soma (Sumaré/SP)
  • Arquivo militante do Movimento de Saúde da Zona Leste de São Paulo

 

 

Oficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril 2017 – 18:30)

DOCUMENTAÇÃO E COMUNICAÇÃO POPULAR:
A experiência do CPV e dos movimentos sociais atuais

 

ALDO ESCOBAR – Jornalista formado pela ECA/USP e Vice- Presidente do CPV- Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro.

ANA APARECIDA FRABETTI  VALIM ALBERTI – Jornalista e Mestra em Comunicação Social pela UMESP.

PAULA RIBEIRO SALLES – Historiadora licenciada pela UFOP  e Mestra em História Social pela PUC/SP.

Continuar a lerOficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril 2017 – 18:30)

GENEALOGIA DOS DISPOSITIVOS INTELECTUAIS DE ENGAJAMENTO – CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO (maio-junho/17)

Nilton Ken Ota (USP/Univ. Paris Nanterre)

O ciclo contestatório mundial iniciado no final da década de 1960 fez da França o epicentro de uma nova gramática política, a um só tempo, massificada culturalmente e inscrita na conduta individual, em detrimento dos modos tradicionais de representação de classe e seus circuitos de recrutamento e formação militante. Sob o declínio do Partido Comunista Francês, as antigas figuras hegemônicas do engajamento entraram em deriva, ocasião propícia para alianças e pontos de tangência entre intelectuais e forças políticas forjadas pelas sedições nas ruas e instituições. A partir de maio de 68 este encontro não deixará de gerar consequências, entre as quais, a invenção de instrumentos específicos de incitação da subjetividade militante, processo amplo e heterogêneo no interior do qual emergiram os dispositivos intelectuais de engajamento.

Oficina Observar os Tempos do social e da política (1° sem 2017)

No segundo semestre de 2016, a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP), o Laboratório Misto Internacional (LMI SAGEMM/IRD) e o Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic/USP) promoveram o seminário “Tempos do Social e da Política”, discutindo pesquisas dedicadas à análise das configurações das políticas sociais, de modo a identificar e colocar em debate o enraizamento temporal de seus principais impasses, avanços e interdições.

Oficina Práticas Utópicas (1° sem 2017)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.