Seminário Neoliberalismo e a razão do comum (11 a 14 de abril de 2016)

11 a 14 de abril de 2016

Iniciativa conjunta da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores e dos Programas de Pós-Graduação em Sociologia, em Filosofia e em Ciência Política da FFLCH/USP, o Seminário Neoliberalismo e a razão do comum: história, dispositivos e crítica, a ser ministrado pelo professor Christian Laval (Université Paris Ouest Nanterre La Défense), objetiva fomentar o debate sobre as racionalidades políticas contemporâneas, em especial o exame crítico da vertente hegemônica neoliberal. Pouco desenvolvida pelas filosofia e ciências sociais brasileiras, essa abordagem teórica do neoliberalismo tem permitido, nos circuitos internacionais de pesquisa, a agregação de diferentes áreas disciplinares e a análise de distintas configurações histórico-sociais. Sua adoção tem resultado em ambientes de experimentação metodológica colaborativa para a apreensão e investigação dos dispositivos neoliberais. O Seminário pretende problematizar a atualidade política do neoliberalismo à luz do confronto com outras racionalidades, objeto dos últimos livros de Christian Laval, realizados em parceria com Pierre Dardot: “La Nouvelle Raison du Monde” (2009), “Marx: Prénom, Karl” (2012) e “Commun” (2014).

Os trabalhos de Laval e Dardot vêm ganhando ampla repercussão na Europa e, com as traduções de seus últimos livros para o inglês e espanhol, também cada vez mais nos Estados Unidos e países da América Latina. A perspectiva interdisciplinar de seus estudos e a amplitude dos temas analisados convergem e têm colaborado com os debates sobre a natureza política e o processo histórico subjacente às crises estruturais do capitalismo contemporâneo, reunidas e indexadas, de acordo com seu programa de investigação, como parte da realidade normativa de uma racionalidade específica, o neoliberalismo. Ao contrário das correntes hegemônicas, a perspectiva adotada não se apoia sobre a teoria econômica ou o conteúdo programático das escolas fundadoras do neoliberalismo. Não se trata também de considerá-lo apenas como um ideário orientado pelos postulados da redução do Estado e da abertura sem restrições ao mercado. Em outras palavras, o neoliberalismo não poderia ser resumido à sua expressão propriamente econômica e tampouco envolveria um simples retorno, radical que seja, ao liberalismo clássico. Compreendido como uma racionalidade política, ele deveria ser investigado no registro das condutas individuais e coletivas, na dinâmica organizacional das instituições e na própria esfera regulatória do Estado. Sua prerrogativa diria respeito à disseminação da norma concorrencial para contextos, situações e comportamentos que não têm origem e nem se vinculam diretamente ao mercado. É nesse sentido que a interdisciplinaridade se coloca como premissa fundamental para a formulação teórica de uma crítica política da racionalidade neoliberal. Isto porque os mecanismos neoliberais apontariam para configurações sociais complexas, frequentemente avessas a segmentações temáticas e especializações rígidas, incapazes de apreender suas qualidades mais determinantes, notadamente a transversalidade epistemológica e o deslocamento permanente da eficácia de seus dispositivos sob um processo acelerado de metamorfose prático-discursiva.

Referendada por recursos metodológicos lastreados em dimensões socialmente heterogêneas, essa orientação teórica vem permitindo que um diversificado universo de processos e eventos econômicos, culturais e sociais seja abordado de modo integrado. Solução heurística esta que decorre da constatação de que a construção e interpretação do neoliberalismo encontrar-se-iam submetidas a uma necessidade de profunda e extensa transformação das categorias que têm, desde seus momentos fundacionais, caracterizado as ciências sociais. Daí o lugar de destaque reservado à análise da tradição e pensamento marxianos, um denso exame do projeto de unificação sistêmica entre política e economia proposto pelo autor de O Capital, que, ainda hoje, encontraria espaço para sua conversão ideológica, não raro até mesmo em setores consolidados de pesquisa. Ao realizarem a genealogia dos conceitos políticos em Marx, Dardot e Laval figuram, não sem acirradas polêmicas, certa autonomia do saber estratégico em relação à economia. A despeito dos debates em torno da validade dessa interpretação, o fato é que ela tornou explícita a junção imaginada pelos autores entre as questões ligadas ao neoliberalismo e a teoria marxiana. A centralidade dada pela racionalidade neoliberal ao estatuto construtivista do sujeito político, já ampla e minuciosamente analisada em “La Nouvelle raison du monde, também poderia ser atribuída ao próprio Marx, ou melhor, às suas análises históricas sobre a luta de classes, reposicionando conceitualmente a contingência da ação, que não se deixa, portanto, determinar tão-somente pela produção econômica da sociedade ou, ao menos, não como defendem as vertentes mais ortodoxas do marxismo.

A preocupação em fazer gravitar a produção teórica sobre o neoliberalismo no terreno das novas formas de organização social tem fomentado os projetos recentes de Dardot e Laval, chamando a atenção para a necessidade de se problematizar a atualidade política à luz das práticas contestatórias. São interpeladas, assim, a lógica e o funcionamento daquilo que os autores designam como a dimensão do “comum” inscrito nessas lutas, princípio central da crítica aos dispositivos neoliberais de concorrência e empresariamento das condutas. Resulta desse redirecionamento, a extração hipotética de uma nova configuração social, com efeitos políticos a serem mapeados e analisados. As linhas de estruturação das experiências instituintes do “comum” passam a ser reconhecidas como passíveis de um outro governo, totalizadas por uma outra racionalidade e disposição normativa. Não à toa, as primeiras formulações sobre o “comum” vêm sendo acompanhadas por um significativo transbordamento das fronteiras entre conhecimentos legitimados academicamente e saberes forjados pelas práticas de intervenção militante. Não se trata, aqui, do velho questionamento sobre a divisão e hierarquização dos conhecimentos socialmente produzidos ou mesmo da crítica ao que seria um monopólio das instituições universitárias em relação aos seus critérios de validação e certificação. Antes de tudo, a tarefa assumida por Dardot e Laval revela sua pertinência teórica e política ao recolocar a ação como ponto de arregimentação dos debates em torno da racionalidade neoliberal.

No Brasil, o neoliberalismo ainda constitui problema abordado prioritariamente por discursos movidos pelo ativismo político ou no esteio de áreas disciplinares engessadas pela visão economicista e de forte insulamento institucional. Como consequência, iniciativas detidas em inúmeros e importantes aspectos da racionalidade neoliberal terminam por contribuir apenas lateralmente para a sedimentação de conhecimento sobre o tema, quadro agravado pela baixa permeabilidade demonstrada pela produção brasileira, justamente em função dessa fragmentação, aos circuitos internacionais em que têm se dado o incremento e a ampliação dos estudos nos últimos vinte anos. Visto sob este ângulo, o Seminário pode permitir aos participantes tomarem contato com a produção internacional recente, estabelecendo diálogo com o campo investigativo aberto pelos trabalhos de Dardot e Laval.

A proposta do Seminário também reflete o esforço para a estruturação de relações de cooperação com outras universidades brasileiras. O ciclo de trabalho do professor Christian Laval incluirá a passagem pelo Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ, ampliando o alcance dos debates com a incorporação, no universo teórico e político em que esta proposta pretende se localizar, das possíveis variações regionais da temática do neoliberalismo no país. O lançamento da edição brasileira de “La Nouvelle raison du monde”, pela editora Boitempo, propiciará a divulgação das discussões desenvolvidas no Seminário junto a um público ampliado de leitores e de formadores de opinião, de um modo geral.

Programação
Local: Prédio de Filosofia e Ciências Sociais – FFLCH/USP

11 de abril. (16:00. Sala 118)
“As raízes históricas do neoliberalismo ou o nascimento do homem econômico”
Debatedor: Jean Tible (Ciência Política/USP)

12 de abril. (15:00. Sala 14)
“Neoliberalismo, uma lógica normativa universal”
Debatedor: Paulo Arantes (Filosofia/USP)

13 de abril. (19:30. Auditório 8)
“O comum: história longa e emergência contemporânea”
Debatedor: Ruy Fausto (Filosofia/USP)

14 de abril. (19:30. Auditório 24)
“Neoliberalismo e o comum, duas razões do mundo em luta”
Debatedora: Vera Telles (Sociologia/USP)

 

Sobre o conferencista
Christian Laval, docente de Sociologia na Université Paris Ouest Nanterre La Défense. Tem diversos livros publicados sobre utilitarismo e liberalismo, notadamente investigações genealógicas da emergência ocidental da normatividade fundada no princípio do interesse, além de estudos sobre Marx, história da sociologia clássica, transformação dos sistemas educativos, dentre outros temas. Seus trabalhos mais recentes, realizados com Pierre Dardot, se inscrevem em um programa de pesquisa sobre a racionalidade neoliberal e a problematização política do “comum”. É membro da Rede de Interdisciplinar de Pesquisadores.

Folder_Seminario Neoliberalismo e a razao do comum 2016


1 comentário a “Seminário Neoliberalismo e a razão do comum (11 a 14 de abril de 2016)”

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *