III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (AGO – NOV 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (ago – nov 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Ao assim associar estruturalmente os planos da pesquisa e da interlocução social, a oficina se alinha a outros trabalhos na universidade pública brasileira que, por outras vias e processos de institucionalização, têm demonstrado reiterada resistência aos mecanismos administrativos soldados na competição acadêmica e suas respectivas classificações de “tipo mercadológico”. Nenhuma justificativa em nome da excelência e inovação científicas legitima-se a transpor o caráter público das discussões realizadas neste espaço. Da mesma maneira, a defesa da autonomia e independência dos trabalhos não autoriza qualquer atitude de insulamento reativo ou de natureza “alternativista”. É da publicidade do debate, circunscrita aos propósitos de produção de conhecimento crítico, que esta proposta retira suas garantias. Este critério não se abstém ele próprio de táticas e estratégias, no entanto. O estatuto público do espaço não o condena à visibilidade desmedida. Conforme as circunstâncias, é possível que a discussão se restrinja temporariamente a um determinado círculo. Daí a atenção cuidadosa a ser dada à articulação entre os conteúdos propriamente políticos e a perspectiva metodológica pela qual as experiências possam tomar contornos teóricos e, desse modo, serem expostas à discussão.

Os primeiros ciclos da oficina abarcaram um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. Esta oficina dialoga diretamente com o Atelier Pratiques utopiques, desenvolvido desde 2016 na Université Paris Nanterre pelo laboratório Sophiapol, e com os grupos de trabalho que compõem a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores.

Programação

FFLCH/USP – Prédio de Filosofia e Ciências Sociais

21/08 (sala 106B), 19h
Rede Escola Pública e Universidade
Silvio Carneiro (UFABC) e Débora Cristina Goulart (Unifesp)

28/08 (auditório 118), 19h
Resistência aos modelos de gestão pública
João Paulo Faustinoni e Silva (Ministério Público/SP) e Fernando Cássio (UFABC)

25/09 (auditório 118), 19h
Comunidade escolar: lutas e desafios
Salomão Ximenes (UFABC) e Pedro Fernandes (Cursinho Livre Cláudia Silva Ferreira)

19/10 (auditório 118), 19h
Tecnopolíticas do comum
Henrique Parra (Unifesp)

30/10 (auditório 118), 19h
Desabrigados da Arte Contemporânea
Raphael Escobar (artista visual), Gustavo Mota (USP) e Leonardo Beserra (editor)

13/11 (auditório 118), 19h
Práticas Comunitárias Não Punitivas
Milena Mateuzi (USP) e Alexandre Martins (USP)

UFABC/São Bernardo do Campo

20/09 (Auditório 001, bloco Belta), 19h
Comum e Universidade
Christian Laval (Univ. Paris Nanterre)

UFBA/Salvador

10/09
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores
Márcia Cunha (Sophiapol) e Nilton Ota (Sophiapol)

Razão estratégica e Teoria social – curso de Pós-graduação (1º Sem/18)

Nilton Ken Ota
FFLCH (USP)/SOPHIAPOL (Univ, Paris Nanterre)

Da prudência maquiaveliana do Príncipe ao Marx do 18 Brumário, a estratégia, problema central na história do pensamento político moderno, não tem merecido atenção, por parte das Ciências Sociais, que reconheça sua importância nas principais correntes da tradição sociológica. Por vias teoricamente distintas, se cristalizou como tópico residual nas mais consagradas interpretações sobre a racionalidade política das últimas décadas, ora enquanto contraponto à fundamentação normativa das democracias liberais, ora como dimensão independente da estruturação das instituições do Estado ou na condição de saber prático das rupturas revolucionárias. Consequentemente, a teoria social incorporou apenas implicitamente, em sua agenda de pesquisa e no corpo conceitual de suas categorias, a gravitação histórica do que poderíamos chamar razão estratégica. Em especial, a sociologia deu contornos inteligíveis e fisionomia científica às dimensões estruturais da reprodução social que, em última instância, ponderariam o valor histórico de sua eficácia. A estratégia seria assim convertida em elemento diacrítico da tradição sociológica e, ao mesmo tempo, em problematização fundadora, retomada a todo momento, consciente ou involuntariamente, pelas correntes contemporâneas do pensamento político.

II Oficina Práticas Utópicas: ABERTURA 03/10/17 (16h), com Pierre DARDOT e Christian LAVAL

O primeiro ciclo da Oficina Práticas Utópicas abarcou um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. O segundo ciclo dará continuidade aos debates do primeiro semestre de 2017. A sessão inaugural apresentará a perspectiva histórica e a atualidade do princípio estratégico do Comum, de acordo com a formulação dada pelos conferencistas convidados, Christian Laval e Pierre Dardot. A Oficina também prevê realização de atividades presencias de discussão nos movimentos sociais.

Programação

  • Emergência e estratégias do Comum (Abertura com Dardot e Laval)
  • Núcleo de Consciência Negra da Universidade de São Paulo
  • Movimento de Moradia da Vila Soma
    Atividade na Vila Soma (Sumaré/SP)

Oficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril 2017 – 18:30)

DOCUMENTAÇÃO E COMUNICAÇÃO POPULAR:
A experiência do CPV e dos movimentos sociais atuais

 

ALDO ESCOBAR – Jornalista formado pela ECA/USP e Vice- Presidente do CPV- Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro.

ANA APARECIDA FRABETTI  VALIM ALBERTI – Jornalista e Mestra em Comunicação Social pela UMESP.

PAULA RIBEIRO SALLES – Historiadora licenciada pela UFOP  e Mestra em História Social pela PUC/SP.

Continuar a lerOficina OBSERVAR OS TEMPOS DO SOCIAL E DA POLÍTICA (17 de abril 2017 – 18:30)

Oficina Observar os Tempos do social e da política (1° sem 2017)

No segundo semestre de 2016, a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP), o Laboratório Misto Internacional (LMI SAGEMM/IRD) e o Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic/USP) promoveram o seminário “Tempos do Social e da Política”, discutindo pesquisas dedicadas à análise das configurações das políticas sociais, de modo a identificar e colocar em debate o enraizamento temporal de seus principais impasses, avanços e interdições.

I Oficina Práticas Utópicas (1° sem 2017)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

IV Seminário Neoliberalismo e racionalidade política (outubro e novembro de 2016)

IV Seminário Neoliberalismo e racionalidade política

04/10
Autonomismo e as novas formas de organização coletiva
Jean Tible – FFLCH/USP

18/10
Polarização política no Brasil e Turquia
Álvaro Comin – FFLCH/USP

01/11
Neoliberalismo, austeridade e sequestro da democracia
André Singer – FFLCH/USP

08/11
Blindagem da Constituição financeira e agonia da Constituição econômica
G. Bercovici e F. Massonetto – FD/USP

Horário: 19:30
Local: Sala 104 A

Universidade de São Paulo -USP
Prédio de Ciências Sociais e Filosofia – FFLCH
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315

cartaz-final_02-out-2016

Oficina: Observar os tempos do “social”

Coordenação: Márcia Cunha, Isabel Georges e Nilton Ota

Quando o “social”, campo de intervenções para o atendimento e controle de grupos e indivíduos desprovidos de meios para garantia de sua própria subsistência, está no centro de uma investigação sociológica, o tema da mudança é uma constante: novas políticas, discursos, práticas, instituições, categorias, técnicas. A apreensão e discussão do que é novo, bem como de seus efeitos, entretanto, não é algo dado ou trivial. Sua identificação e morfologia requerem a construção de perspectivas de investigação e análise que definam o elo entre o objeto e seu entorno com relação à passagem do tempo. As formas de relacionar o passado e o presente ou as diversas temporalidades inscritas em cenários e objetos específicos constituem o cerne das questões que esta oficina pretende trabalhar. A observação dos tempos do “social” pode constituir também um significativo aporte metodológico para a decifração dos momentos de crise político-institucional.

Continuar a lerOficina: Observar os tempos do “social”

Oficina: Arte, cultura, identidade e gestão

Coordenação: José César de Magalhães Jr e Tatiana Maranhão

O objetivo desta oficina é investigar a hipótese geral de que, sob variadas formas e por caminhos pouco habituais, manifestações artísticas como criações teatrais, exposições de artes plásticas, mostras, instalações, espetáculos, oficinas e workshops, bem como programas artístico-culturais de formação crítica de público ou acentuada vocação social nas periferias urbanas estão realizando, por mecanismos de incitação à mobilização, à participação ou ao engajamento, com diferentes alcances e desde momentos particulares no desenvolvimento de suas próprias linguagens, uma “culturalização” generalizada da vida e dos conflitos sociais.

Continuar a lerOficina: Arte, cultura, identidade e gestão

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search