Oficina Práticas Utópicas (1° sem 2017)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Ao assim associar estruturalmente os planos da pesquisa e da interlocução social, a oficina se alinha a outros trabalhos na universidade pública brasileira que, por outras vias e processos de institucionalização, têm demonstrado reiterada resistência aos mecanismos administrativos soldados na competição acadêmica e suas respectivas classificações de “tipo mercadológico”. Nenhuma justificação em nome da excelência e inovação científicas legitima-se a transpor o caráter público das discussões realizadas neste espaço. Da mesma maneira, a defesa da autonomia e independência dos trabalhos não autoriza qualquer atitude de insulamento reativo ou de natureza “alternativista”. É da publicidade do debate, circunscrita aos propósitos de produção de conhecimento crítico, que esta proposta retira suas garantias. Este critério não se abstém ele próprio de táticas e estratégias, no entanto. O estatuto público do espaço não o condena à visibilidade desmedida. Conforme as circunstâncias, é possível que a discussão se restrinja temporariamente a um determinado círculo. Daí a atenção cuidadosa a ser dada à articulação entre os conteúdos propriamente políticos e a perspectiva metodológica pela qual as experiências possam tomar contornos teóricos e, desse modo, serem expostas à discussão.

O primeiro ciclo da oficina abarcará um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. Esta oficina dialogará diretamente com o Atelier Pratiques utopiques, desenvolvido desde 2016 na Université Paris Nanterre pelo laboratório Sophiapol, e com os grupos de trabalho que compõem a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores.

21 de março [19:00]
DIREITO AO PRAZER: consumo, política e pobreza no Brasil do século XXI
Rosana Pinheiro Machado

27 de abril [19:00]
MOVIMENTOS SOCIAIS E A CLÍNICA PSICANALÍTICA:
uma experiência de dez anos no MST
Noemi Araújo

4 de maio [19:00]
FLASKÔ, VILA OPERÁRIA E VILA SOMA:  experiências de autoconstrução e autogestão como formas de organização popular
Alexandre Mandl

6 de junho [19:30]
REBELIÃO DO PÚBLICO-ALVO? Lutas por dentro e por fora da cultura como política pública
Danyele Maciel e Taiguara de Oliveira

Local:
Sala 106 A

Prédio de Filosofia e Ciências Sociais
Av. Prof. Luciano Gualberto, 315

 


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *