Oficina: Neoliberalismo brasileiro e construção da “classe C” ou “nova classe média”

Coordenação: Daniel Andrade

Esta oficina de pesquisa sobre o neoliberalismo propõe analisar a intersecção entre Estado, mercado e subjetividade no Brasil, tendo como foco a chamada “classe C” ou “nova classe média”. O objetivo é pensar qual tipo de sujeito político foi construído pelo discurso sobre a “classe C” e pelos dispositivos de políticas públicas e de estratégias empresariais que surgiram a partir dele. Pretende-se inverter a abordagem predominante no debate intelectual atual, o qual, partindo de definições previamente estabelecidas, questiona se se trata efetivamente de uma classe ou de uma classe média. Ao invés de averiguar a verdade deste discurso em sua adequação com a realidade ou com as teorias sociológicas, busca-se pensar os efeitos que esse discurso produziu ao ser aceito como verdadeiro.

Nesse sentido, a “nova classe média” é pensada como o efeito das estratégias políticas e empresariais que a tomam como objeto, resultando como um sujeito político moldado por esses dispositivos. Além disso, partindo das manifestações que se proliferaram desde junho de 2013, um segundo objetivo é entender como essa nova “classe” se constitui em sua contraposição ou em sua sujeição aos movimentos da classe média tradicional, portadora desde os anos de 1990 dos valores neoliberais da competitividade e do empreendedorismo de si mesmo. As manifestações da classe média tradicional, imersas em uma visão gerencial de mundo, podem ser lidas como uma estratégia de “moralização” daqueles que “fraudam” o princípio da livre concorrência, como os governantes promotores de políticas sociais e os pobres que são seus beneficiários. Ao buscar impor os seus valores a outros estratos da população e ao estender suas práticas gerenciais de modo a governar suas condutas e a moldar suas subjetividades, a classe média tradicional busca formar assim efetivamente uma “nova classe média”, construindo a classe emergente à sua imagem e semelhança. Mas, ao assumir esses valores e ao defender o modelo de mercado, a “classe C” automaticamente é limitada nas suas possibilidades de ascensão social e de organização política, permanecendo em posição subalterna.

Diante dessa forma problemática de inclusão e dos seus limites, é possível pensar, em conexão com outras oficinas de pesquisa, como a juventude de “classe C” desencadeia uma resistência que se contrapõe aos movimentos da classe média tradicional, recusando as formas de subjetivação disseminadas pela moralização, pelos discursos midiáticos e pelas estratégias gerenciais. Nesse sentido, esses sujeitos passam a se produzir na própria luta e nas suas formas de organização, por vezes reapropriando-se de formas organizacionais e de ação do capitalismo contemporâneo de modo a exacerbá-las e voltá-las politicamente contra o próprio gerencialismo. Interessa pensar a constituição dessas frações da classe média tradicional e da assim chamada “nova classe média” no âmbito da luta entre elas, tanto nas manifestações políticas quanto na tentativa de desenvolver estratégias de poder, de subjetivação e de resistência na vida cotidiana.

Do ponto de vista teórico, trata-se de pensar a formação das classes no neoliberalismo brasileiro a partir de uma releitura foucaultiana de Marx, tal como realizada por Pierre Dardot e Christian Laval em Marx, Prénom: Karl, em que se enfatiza a dimensão da luta (e consequentemente do poder e da subjetivação) na luta de classes. O livro de Dardot e Laval, A nova razão do mundo, e os trabalhos de Aihwa Ong e do trio Jamie Peck, Nick Theodore e Neil Brenner são as referências centrais, embora não exclusivas, para entender o que estamos entendendo por neoliberalismo e como ele se hibridiza com condições locais.

Temas de pesquisa:

  1. Discursos sobre a “classe C” ou sobre a “nova classe média” desenvolvidos por pesquisadores acadêmicos, por agências de pesquisa de mercado e pela mídia.
  2.  Dispositivos empresariais voltados para a “classe C”: marketing e desenvolvimento de produtos para a baixa renda, bancarização, educação financeira, microcrédito, microempreendedorismo, endividamento, pejotização, etc.
  3. Políticas públicas (sociais e econômicas) voltadas para a classe C.
  4.  Formação da cultura gerencial da classe média tradicional no âmbito das empresas privadas e da nova gestão pública.
  5. Manifestações da classe média tradicional e “moralização” pelo princípio da competição.
  6. Subjetivação da “classe C” ou da “nova classe média”: valores, identidade e visão de mundo.
  7. Resistência da juventude da “classe C” e autoconstituição na luta e nas formas de organização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *