Oficina: Observar os tempos do “social”

Coordenação: Márcia Cunha, Isabel Georges e Nilton Ota

Quando o “social”, campo de intervenções para o atendimento e controle de grupos e indivíduos desprovidos de meios para garantia de sua própria subsistência, está no centro de uma investigação sociológica, o tema da mudança é uma constante: novas políticas, discursos, práticas, instituições, categorias, técnicas. A apreensão e discussão do que é novo, bem como de seus efeitos, entretanto, não é algo dado ou trivial. Sua identificação e morfologia requerem a construção de perspectivas de investigação e análise que definam o elo entre o objeto e seu entorno com relação à passagem do tempo. As formas de relacionar o passado e o presente ou as diversas temporalidades inscritas em cenários e objetos específicos constituem o cerne das questões que esta oficina pretende trabalhar. A observação dos tempos do “social” pode constituir também um significativo aporte metodológico para a decifração dos momentos de crise político-institucional.

Já se encontram consolidadas linhas de investigação sobre a relação entre sociologia e história, notadamente na investigação dos processos e configurações em Elias (1999), nas questões teórico-epistemológicas a respeito da generalização e singularidades, como em Bendix (1996) e nas diversas vertentes do institucionalismo histórico (Mahoney e Rueschemeyer, 2003), além dos estudos de orientação foucaultiana (Castel, 1999; Donzelot, 1994; Ewald, 1986) e da preconização sistemática de um cruzamento entre etnografia e historiografia (Arborio et al., 2008). A discussão proposta aqui, no entanto, não pretende vincular-se estritamente a nenhuma dessas linhagens, privilegiando, ao contrário, a definição dos problemas a partir de dois focos:  primeiramente, explorar abordagens que envolvam as práticas e experiências dos atores do “social” e, segundo, fazê-lo a partir de universos empíricos de pesquisa. Como e qual a relevância de identificar a incidência do passado sobre experiências observadas etnograficamente? O que significa e quais são as implicações do esforço de historicização de um objeto ou questão extraídos pela pesquisa de campo?

Esta oficina de pesquisa propõe, em termos de uma sociologia da emergência do “social”, uma genealogia dos equipamentos públicos e coletivos, das instituições, leis e tecnologias de normalização dos indivíduos e populações expostos aos mecanismos de segregação e desfiliação societárias, eles mesmos frutos de processos de média e longa duração. Estruturados em complexos heterogêneos, tais processos designam cristalizações de saberes e estratégias, colocam em jogo a contemporaneidade de diferentes regimes normativos. No presente, a coexistência dos tempos do “social” ganha, de um lado, fisionomia conflitiva, ao passo que incita, de outro, novas zonas de integração prático-discursiva. Seus efeitos globais também implicam ações[1] e condutas não raro imprevistas. Contudo, cada objeto do “social”, cada artefato e fração tática de sua eficácia é passível de datação e cronologia, a despeito de suas contradições e inconsistências internas. Serão priorizadas as dimensões de convergência e afinidades normativas, sejam as materializadas nos dispositivos, sejam as vinculadas diretamente às trajetórias dos profissionais e militantes, que atravessam o “social”, engendrando relações muitas vezes vividas como pessoais e que, a depender do contexto e circunstâncias, podem ganhar permanência e encarnar funções políticas de mediação ampliada.

De gerações diferentes, esses indivíduos são portadores de experiências históricas diversas, cuja memória coletiva se traduz frequentemente pelo acervo particular de registros e documentos, com forte carga existencial. O engajamento político matizado pela perspectiva geracional expõe, assim, a dimensão processual de sua constituição, em que eventos biográficos se articulam no interior de trajetórias coletivas, dando forma a diferentes “carreiras militantes” (Sawicki et al., 2011; Fillieule, 2005) e a uma crescente integração do “zelo” no trabalho (Dejours, 2010) com o engajamento na política, o “trabalho militante” (Nicourd, 2009). Os profissionais do “social” são igualmente operadores (involuntários) de sedimentações estratégicas de média e longa duração que, por sua vez, incidem e se transformam na ação, isto é, no encontro conflitivo dos valores e disposições destes mesmos atores sociais. Daí a eclosão duradoura, ainda que fracionada, da mobilização subjetiva no trabalho social e nas demais modalidades de atuação profissional, muitas das quais dependentes do impulso gerado pelos valores da militância de outrora. Por isso também o espaço aberto para a criação e experimentação de mecanismos de aprendizagem e hibridação das táticas e estratégias das mais distintas épocas e conjunturas. Revela-se aí muito mais do que um simples reposicionamento ou cooptação de antigas práticas ou discursos. Trata-se, antes de tudo, da formação de extensa rede de objetos, sujeitos e técnicas, que se faz acompanhar pelo nascimento de racionalidades regionais em permanente disputa. Em outras palavras, é a própria história das concepções e concretizações do “fazer político” que se descortina.

Uma outra entrada possível, e complementar, para compreender os tempos do “social” se encontra na esfera cognitiva de suas práticas. A evolução das categorias descritivas e teóricas que compõem o quadro referencial dos atores desse campo indica ritmos de desenvolvimento que nem sempre correspondem ao das mudanças dos fenômenos indexados. Uma outra história da questão social torna-se legível através da história dos instrumentos de medição e classificação (Desrosières, 2000). Nessa direção, valeria destacar a noção de “quase-conceito” (Machado, 2002), proposta no âmbito da forte persistência da “informalidade” nos debates e na produção técnica sobre o mercado de trabalho brasileiro nas últimas décadas, categoria sob cuja significação diferentes posições e realidades geográficas foram sintetizadas. Retomando esta noção, poderíamos aplicá-la à ideia de “vulnerabilidade social”, um exemplo-farol de uma cristalização de origens e significados múltiplos sob uma mesma categoria[2], ou seja, a criação paradoxal do consenso na própria situação de dissenso e de desigualdade estrutural, o que sugere a conformação de um outo modo de gestão do conflito.

Entre a dimensão da experiência militante e a institucionalização de suas práticas, o “social” se coloca como campo de objetivação e vetor expressivo de temporalidades variadas, a partir do qual torna-se possível apreender tanto a contemporaneidade do passado, quanto a realidade em movimento de um presente sob forte ascendência de outros regimes históricos de “veridificação”. Sob o funcionamento rotineiro de um equipamento público, a longa duração de uma relação normativa com a população (CERFI, 1973), a estabilidade da interdependência dos grupos locais reforçada e legitimada pelas “entidades da comunidade”, muitas delas originárias dos movimentos populares do final da década de 1970 e da conversão democrática das antigas formas tutelares da assistência privada ou religiosa. No “social” assim compreendido, as clivagens de classe são sistematicamente sobrepostas e combinadas às outras, donde a “questão social” atualizar em nova chave os problemas das desigualdades de gênero, raça e idade. Novas identidades e imaginários comunitários passam a ocupar a cena das lutas e, consequentemente, a animar a transformação dos discursos e práticas. A produtividade do “social” impõe, portanto, a adoção e desenvolvimento de recursos heurísticos específicos para sua análise, uma atitude experimental rigorosa e uma disposição interdisciplinar crítica.

Programação

O ciclo inaugural da oficina será desenvolvido no Seminário “Tempos do social e da política” (setembro a novembro de 2016), organizado em conjunto com o Cenedic/USP e o LMI/França (cf. divulgação das sessões neste site). No primeiro semestre de 2017, o segundo ciclo trabalhará aspectos metodológicos e teórico-epistemológicos das diferentes modalidades de pesquisa no “social”. Parte das sessões será destinada à problematização do registro documental da memória política. A oficina também promoverá a coprodução de arquivos orais da experiência de militância, discussão a ser realizada paralelamente às sessões. Integradas, estas atividades visam a construção de categorias descritivas e de análise cuja matriz encontra-se numa concepção da política como ação coletiva em situação adversa e em escala temporal heterogênea.

^.

Bibliografia

ARBORIO et al. Observer le travail, La Découverte : Paris, 2008
BENDIX, R. Construção nacional e cidadania, Edusp: São Paulo, 1996.
CASTEL, R. As metamorfoses da questão social, Editora Vozes: Petrópolis, 1999.
CENTRE D’ÉTUDES, DE RECHERCHES ET DE FORMATION INSTITUTIONNELLES (CERFI). Généalogie du Capital. 1. Les équipements du pouvoir, Recherches, Paris, n° 13, décembre 1973.
DEJOURS, C. Travail vivant, vol. I et II, Payot : Paris, 2010.
DESROSIÈRES, A. La politique des grands nombres, La Découverte : Paris, 2000.
DONZELOT, J. L’invention du social, Éditions du Seuil : Paris, 1994.
ELIAS, N. O processo civilizador, vol. I e II, Jorge Zahar editor: Rio de Janeiro, 1999.
EWALD, F. L’État Providence, Grasset : Paris, 1986.
FILLIEULE, O. Temps biographiques, temps social et variabilité des rétributions, in : FILLIEULE, O. (dir.). Le désengagement militant, Belin : Paris, 2005.
LATOUR, B. Changer la société. Refaire de la sociologie, La Découverte : Paris, 2006.
MACHADO, L. A. Da informalidade à empregabilidade, in: Caderno CRH, n°37, p.81-109, jul/dez 2002.
MAHONEY, J. & RUESCHEMEYER, D. Comparative Historical Analysis in the Social Sciences, Cambridge University Press: New York, 2003.
NICOURD, S. (dir.). Le travail militant, Presse Universitaires de Rennes : Rennes, 2009.
SAWICKI, F. & SIMEANT, J. Inventário da sociologia do engajamento militante. Nota crítica sobre algumas tendências recentes dos trabalhos franceses, Sociologias, Porto Alegre, ano 13, n° 28, set/dez 2011, p. 200 – 250.

[1] Como “actantes”, para citar Bruno Latour (2006).
[2] Tendo uma certa semelhança com o conceito de “territórios circulatórios” e de “história cruzada”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *