III OFICINA PRÁTICAS UTÓPICAS (ago – nov 2018)

Iniciativa da Rede Interdisciplinar de Pesquisadores (FFLCH/USP) e do Departamento de Sociologia (FFLCH/USP), em cooperação com o laboratório Sophiapol da Université Paris Nanterre, a Oficina Práticas Utópicas pretende constituir um espaço de pesquisa voltado ao debate sobre as novas formas de organização política, mutuamente significativo para a universidade e os diversos grupos e movimentos sociais. Parte-se, aqui, do princípio de que uma teoria social crítica não pode prescindir do encontro, ainda que conflitivo, com os sujeitos políticos e suas invenções no registro sempre polêmico da gravitação utópica de suas práticas. Por outro lado, pressupõe-se igualmente que um saber ou ação capaz de se afirmar democraticamente coloque seus postulados normativos, seu raciocínio estratégico e suas referências valorativas ao debate e exame aprofundados. Levada a sério esta proposta, certamente não há como prever seus efeitos políticos e tampouco definir suas direções. Trata-se, antes de tudo, de reconhecer e dar consequências consistentes ao conhecimento extraído deste encontro, cujas prerrogativas devem ser descritas e especificadas teoricamente.

Ao assim associar estruturalmente os planos da pesquisa e da interlocução social, a oficina se alinha a outros trabalhos na universidade pública brasileira que, por outras vias e processos de institucionalização, têm demonstrado reiterada resistência aos mecanismos administrativos soldados na competição acadêmica e suas respectivas classificações de “tipo mercadológico”. Nenhuma justificativa em nome da excelência e inovação científicas legitima-se a transpor o caráter público das discussões realizadas neste espaço. Da mesma maneira, a defesa da autonomia e independência dos trabalhos não autoriza qualquer atitude de insulamento reativo ou de natureza “alternativista”. É da publicidade do debate, circunscrita aos propósitos de produção de conhecimento crítico, que esta proposta retira suas garantias. Este critério não se abstém ele próprio de táticas e estratégias, no entanto. O estatuto público do espaço não o condena à visibilidade desmedida. Conforme as circunstâncias, é possível que a discussão se restrinja temporariamente a um determinado círculo. Daí a atenção cuidadosa a ser dada à articulação entre os conteúdos propriamente políticos e a perspectiva metodológica pela qual as experiências possam tomar contornos teóricos e, desse modo, serem expostas à discussão.

Os primeiros ciclos da oficina abarcaram um conjunto variado de temas, com participação tanto de representantes de grupos e coletivos de diferentes campos de atuação e reflexão políticas, quanto de pesquisadores que têm acompanhado de perto as novas formas de protesto e contestação sociais, incompreensíveis se mantidos os habituais gabaritos de análise do engajamento militante. Esta oficina dialoga diretamente com o Atelier Pratiques utopiques, desenvolvido desde 2016 na Université Paris Nanterre pelo laboratório Sophiapol, e com os grupos de trabalho que compõem a Rede Interdisciplinar de Pesquisadores.

Programação

FFLCH/USP – Prédio de Filosofia e Ciências Sociais

21/08 (sala 106B), 19h
Rede Escola Pública e Universidade
Silvio Carneiro (UFABC) e Débora Cristina Goulart (Unifesp)

28/08 (auditório 118), 19h
Resistência aos modelos de gestão pública
João Paulo Faustinoni e Silva (Ministério Público/SP) e Fernando Cássio (UFABC)

25/09 (auditório 118), 19h
Comunidade escolar: lutas e desafios
Salomão Ximenes (UFABC) e Pedro Fernandes (Cursinho Livre Cláudia Silva Ferreira)

19/10 (auditório 118), 19h
Tecnopolíticas do comum
Henrique Parra (Unifesp)

30/10 (auditório 118), 19h
Desabrigados da Arte Contemporânea
Raphael Escobar (artista visual), Gustavo Mota (USP) e Leonardo Beserra (editor)

13/11 (auditório 118), 19h
Práticas Comunitárias Não Punitivas
Milena Mateuzi (USP) e Alexandre Martins (USP)

UFABC/São Bernardo do Campo

20/09 (Auditório 001, bloco Belta), 19h
Comum e Universidade
Christian Laval (Univ. Paris Nanterre)

UFBA/Salvador

10/09
Rede Interdisciplinar de Pesquisadores
Márcia Cunha (Sophiapol) e Nilton Ota (Sophiapol)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.