Razão estratégica e Teoria social – curso de Pós-graduação (1º Sem/18)

É nessa configuração ambígua e contraditória que a razão estratégica revela claramente sua atualidade. O curso parte do diagnóstico sobre o advento de uma nova hegemonia política e cultural, de caráter transnacional e que se expressa, inclusive no âmbito das condutas individuais e das organizações coletivas, por meio de mecanismos de objetivação diferencial da ação política, atributo por excelência do neoliberalismo, ele mesmo uma racionalidade densamente estratégica. Neoliberalismo que, nas Ciências Sociais, ganha incidência pelas teorias da “rational choice” e outras que, na mesma linha das vertentes neoclássicas da teoria econômica, adotam o cálculo individual dos interesses para estimar, explicar e modelar os fenômenos coletivos. Contígua a essa racionalidade, técnicas de mensuração promovem efeitos políticos variados, tal como se observa na codificação cartográfica da noção sociológica de rede ou na disseminação dos aparatos securitários de avaliação de riscos. Daí que realidades construídas sob a guarda de formulações abstratas – sobreposição de unidades homogêneas relacionadas formal e extemporaneamente – sejam enunciadas como coletivas e sociais.

Face aos impasses teóricos gerados pelo enraizamento, disseminação e aprofundamento dos dispositivos da racionalidade neoliberal, a ausência de um investimento sistemático voltado à compreensão das estratégias que parecem caracterizar a morfologia atual da dominação capitalista tem sido crescentemente criticada e não raro visada no registro empírico do trabalho investigativo. Notadamente por intermédio de recursos metodológicos específicos e de novos princípios de organização da pesquisa, é o próprio estatuto do conhecimento cientificamente produzido e legitimado que se expõe, nessa crítica, a uma interrogação cerrada de seus fundamentos epistemológicos.

O curso se alinha ao quadro de iniciativas que procuram inscrever, nos debates e análises das configurações sociais emergentes, o exame das racionalidades políticas contemporâneas e suas respectivas prerrogativas estratégicas. Trata-se de delinear as referências históricas, circunscrevendo teoricamente e em uma perspectiva experimental, o elenco de problemas, sob quatro unidades temáticas: “A produtividade política do trabalho”; “O ‘social’ e seus regimes de mobilização”; “A epistemologia do neoliberalismo” e “Instituição e princípios normativos do autogoverno”. Atividade que integra a construção de um programa coletivo e internacional de pesquisa entre a Universidade de São Paulo (FFLCH) e a Université Paris Nanterre (Sophiapol), esta disciplina também pretende ser um espaço de interlocução com movimentos sociais e grupos militantes.

Conteúdo

Unidade I: A produtividade política do trabalho
A concepção militar da política
Extração revolucionária do processo de trabalho
A fábrica do sujeito comunista

Unidade II: O “social” e seus regimes de mobilização
Políticas de sociedade
O engajamento intelectual no Estado social
Novas fronteiras da questão social

Unidade III: A epistemologia do neoliberalismo
Antitotalitarismo, mercado e liberdade
A história subjetiva da economia
Pragmáticas da posse

Unidade IV: Instituição e princípios normativos do autogoverno
Governos do inapropriável
Tempos e práticas utópicas
Estratégia, modo de usar


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.