Razão estratégica e Teoria social – curso de Pós-graduação (1º Sem/18)

Nilton Ken Ota
FFLCH (USP)/SOPHIAPOL (Univ, Paris Nanterre)

Da prudência maquiaveliana do Príncipe ao Marx do 18 Brumário, a estratégia, problema central na história do pensamento político moderno, não tem merecido atenção, por parte das Ciências Sociais, que reconheça sua importância nas principais correntes da tradição sociológica. Por vias teoricamente distintas, se cristalizou como tópico residual nas mais consagradas interpretações sobre a racionalidade política das últimas décadas, ora enquanto contraponto à fundamentação normativa das democracias liberais, ora como dimensão independente da estruturação das instituições do Estado ou na condição de saber prático das rupturas revolucionárias. Consequentemente, a teoria social incorporou apenas implicitamente, em sua agenda de pesquisa e no corpo conceitual de suas categorias, a gravitação histórica do que poderíamos chamar razão estratégica. Em especial, a sociologia deu contornos inteligíveis e fisionomia científica às dimensões estruturais da reprodução social que, em última instância, ponderariam o valor histórico de sua eficácia. A estratégia seria assim convertida em elemento diacrítico da tradição sociológica e, ao mesmo tempo, em problematização fundadora, retomada a todo momento, consciente ou involuntariamente, pelas correntes contemporâneas do pensamento político.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.